Skip to main content
Os recursos didáticos nas apresentações sucesso na comunicação por AcácioGarcia

Os recursos didáticos nas apresentações

Os recursos didáticos tecnológicos são apoios que auxiliam consideravelmente as apresentações, ampliando o entendimento dos ouvintes e rompendo com a monotonia de uma palestra, além de darem segurança ao apresentador.

Quanto mais simples e natural for o uso dos recursos, melhor fica a apresentação e o entendimento por parte dos ouvintes.

Os recursos didáticos e tecnológicos jamais poderão substituir o que há de mais importante nas apresentações: o palestrante.

Os quadros e o flipchart são os mais comuns, usados para incorporar informações complementares durante a apresentação. Ao escrever, leia para facilitar a linha de raciocínio. Quando terminar, vire-se para o auditório e retome as rédeas da sua apresentação.

Ao explicar uma figura ou um desenho, espalhe a visão sobre toda a plateia para prender sua atenção. Evite ficar de costas para o público, falando para o quadro ou flipchart.

Se for utilizar recursos tecnológicos como microfones, data show, aparelho de DVD ou CD, teste-os antes para não se surpreender com falhas ou mau funcionamento que poderão atrapalhar seu entusiasmo na sua apresentação. O material de apoio é para ajudá-lo e não para atrapalhá-lo ou deixá-lo mais nervoso.

Esteja sempre preparado com um “Plano B”, caso ocorra algum problema. Por exemplo: o pen drive não foi identificado, a internet não conectou, a energia elétrica pode cair, o equipamento eletrônico pode dar pane etc.

Microfones

O microfone com fio é o mais usado, por sua simplicidade e custo. Ligue-o acionando o botão para cima e teste-o antes de falar, verificando se está ligado. Segure-o na posição quase horizontal, como se fosse um copo de água, a uma distância de cinco a dez centímetros da boca, dependendo da altura em que está sintonizada a caixa amplificadora. Evite distraidamente ficar alisando o fio do microfone durante a palestra, e tome as devidas precauções para não o enroscar nas pernas, produzindo uma cena cômica e passando um ar de palestrante despreparado.

Fale sempre olhando para o público, e não para o microfone.

Não gesticule com a mão que está segurando o microfone, pois o som da sua voz sairá quebrado e engraçado. Mude a mão que segura o microfone de vez em quando, sem os exageros de um malabarista.

O microfone sem fio é mais prático e permite a você se locomover por todo o auditório, se necessitar. É mais seguro no que tange aos choques elétricos e transmite um visual mais elegante ao público. Segure-o da mesma forma que segura o microfone com fio, ou seja, na horizontal e a uma distância de uns cinco a dez centímetros da boca. O microfone deverá acompanhar o movimento do queixo para a direita ou a esquerda, como se fizesse parte do seu corpo. Um detalhe todo especial é posicionar o microfone um pouco abaixo dos lábios, evitando tapá-los para valorizar a leitura labial, muito importante para a compreensão dos ouvintes.

O microfone auricular é segurado nas orelhas como se fosse uma tiara. Ele fica na frente lateral da boca e também deve ser ajustado a uns cinco centímetros dos lábios para evitar ruídos de sintonia e de reverberação.

O microfone de lapela é muito parecido com o auricular, e é instalado na lapela de seu paletó ou de sua camisa, a uma distância que capte perfeitamente sua voz. Aconselhamos que você chegue sempre com antecedência ao evento e teste o microfone que usará.

Os microfones auricular e de lapela merecem cuidados especiais, tais como: ter pilhas ou baterias de reserva no caso de o microfone descarregar; e desligá-lo após a apresentação, retirá-lo e colocá-lo sobre a mesa de apoio. Se você se descuidar e sair com ele ligado, todo o auditório escutará tudo o que você disser e os ruídos que você fizer numa área de até cem metros da caixa amplificadora.

O microfone de haste flexível é muito simples: gire-o e curve-o próximo uns cinco centímetros de sua boca. Lembre-se: muito próximo, o microfone provocará oscilações.

Se você fala baixo, tente elevar o tom de sua voz falando mais alto, soltando as vogais com maior intensidade, ao invés de aumentar o volume da caixa amplificadora ao máximo, o que poderá ocasionar microfonia.

Quando for usar os recursos didáticos em suas apresentações, chegue com antecedência ao local do auditório para checar os seus funcionamentos. Essa situação ajudará a acalmá-lo enquanto aguarda o momento para iniciar a sua fala. Deixar para testá-los em cima da hora, poderá ocasionar nervosismo e transtornos indesejados, como desconhecimento para ligá-los ou pane nas pilhas, nas baterias ou no sistema elétrico.

Para você, desejamos sucesso na comunicação!

Um abraço,

Acácio Garcia

Acácio Garcia

Acácio Moraes Garcia, conferencista internacional na área motivacional, comportamental e gerencial, mestre em oratória, diretor do IMCEV, procurador federal, ministra cursos e palestras há 25 anos por todo país e EUA, é autor de 8 livros e DVDs entre eles: o recém lançado “A boa comunicação nos dias atuais”, Vença a Timidez de Falar em Público, Como Falar Em Público Com Naturalidade e Entusiasmo, Adequação Empresarial, Histórias e Frases de Efeito para Apresentações em Público, A Força Do Poder Do Elogio Para Atingir As Metas. Foi incluído como “Os 30+ em Motivação do Brasil” pela editora 3C.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *