Skip to main content
Roteiro-para-apresentação-em-público-sucesso-na-comunicação-Acácio-Garcia

Roteiro para apresentação em público

Muitos alunos perguntam: “Como fazer para não me perder em uma fala em público?”. Acredito que a melhor resposta é ter um roteiro para apresentação em público.

Roteiro para apresentação em público resumido

Todas as vezes que você for convidado para uma palestra ou apresentação em público, faça o seu roteiro, pois ele lhe ajudará na sequência de suas ideias:

  1. Saudação às autoridades e ao público.

(Agradecimentos a quem lhe convidou e elogio sincero àquele público ou à cidade que você está visitando).

  1. Rápida e breve exposição de motivos sobre o tema a ser apresentado.
  2. Corpo do discurso.

(Se dividir em partes, fale sobre cada uma delas. Faça uma Ilustração com uma história).

  1. Fase final.

(Avise que vai terminar e termine com uma reflexão sobre o tema, conclamando àquele público para que aja de acordo com o que foi tratado naquele encontro).

 

O roteiro é importante para manter a linha de raciocínio de sua apresentação em  público. Assim, teremos:

– Primeira Fase: Saudação

A Primeira Fase, também conhecida como Pré-introdutória ou Saudação, poderá ser formal ou informal, dependendo do evento.

Faça uma saudação alegre natural, como se estivesse cumprimentando pessoalmente a cada um dos presentes.

No caso de o evento ser formal, com composição da mesa das autoridades, você deverá saudá-las seguindo a hierarquia da nominata do protocolo e do cerimonial: federal, estadual, municipal, eclesiástica, militar e civil.

As autoridades federais, estaduais e municipais dos poderes Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Reitores de Universidades recebem a saudação regulada pelo Decreto N. 70.274 de 09/03/1972: O nome e depois o cargo. Exemplo:

  • Excelentíssimo Senhor Fulano de Tal, Governador do Estado de Santa Catarina;
  • Excelentíssimo Senhor Fulano de Tal, Prefeito do Município de Florianópolis.

Se as autoridades não pertencerem aos poderes citados, que exigem o vocativo de Excelentíssimo, receberão a saudação de Senhor ou Senhora. Exemplo:

  • Senhor Fulano de Tal, Diretor do INCRA;
  • Senhora Fulana de Tal, Superintendente do INSS de Alagoas.

Detalhe importante!

O primeiro orador a discursar deverá saudar todas as autoridades que compõem a Mesa de Honra.

Se você for o segundo, terceiro ou o último a discursar, verifique quem é a autoridade mais importante à Mesa de Honra e estenda a saudação às autoridades que compõem a Mesa Diretiva e a todas ali presentes no auditório. Faça a seguinte saudação:

“Cumprimentando o Excelentíssimo Senhor Governador do Estado de Minas Gerais, estendo a saudação a todas autoridades presentes neste evento”.

Após saudar a Mesa Diretiva, você saudará o público da seguinte forma:

Senhoras, Senhores e Juventudes aqui presentes.

Caso a saudação seja informal, numa palestra ou reunião em sua empresa ou órgão público, poderá ser mais simples.

Por exemplo:

Senhor Diretor da Empresa Brasileira;

Senhores Colaboradores;

Caros Gerentes.

Bom Dia!  Boa Tarde!  Boa Noite!

 

– Segunda Fase do roteiro: Tema

Na Segunda Fase, conhecida como Introdutória, diga o tema a ser tratado e teça uma rápida e breve exposição de motivos naquele evento. Essa Fase é curta, porém é muito interessante para o público saber o que está assistindo.

 

– Terceira Fase: Exposição

A Terceira Fase, expositiva ou Corpo do discurso, é o momento de falar sobre todas as partes em que o seu discurso está dividido.

Boas práticas são: conte uma história que marque e ilustre o que você está expondo; dê um toque de equilíbrio entre as partes divididas; evite falar muito de um assunto e passar por cima de outros que também sejam importantes.

O desenvolvimento dos tópicos deve ser objetivo, claro, consubstanciado em conceitos teóricos, exemplos, comparações, dados estatísticos e, também, ter um leve toque de humor que melhore a compreensão e aproxime mais os ouvintes.

 

– Quarta Fase: Conclusão

Por último, a quarta Fase, chamada de fase final ou conclusão, é muito importante: trata-se de um conjunto de ideias e frases de encerramento que se destina a reunir todos os tópicos apresentados no corpo do discurso, conclamando os participantes a realizarem, na prática, o que foi explanado.

O encerramento também deve ser antecipadamente preparado e ensaiado na memória, para, de preferência, não ser lido. É claro que se você falar olhando e gesticulando para o público num tom de conversa e naturalidade o resultado fica mais espontâneo. Caso seja inevitável, você poderá ler. No entanto, evite a leitura, pois é algo cansativo e desanimador para os ouvintes. Falamos isso porque, provavelmente, quando os ouvintes saírem da apresentação, eles vão se lembrar apenas do que foi dito na conclusão.

Se sua explanação foi fantástica, não permita que tudo “morra na praia” por conta de um desfecho alongado e sem nexo. Por essa razão, a conclusão deve ser breve e concisa.

 

Assim como o piloto avisa aos seus passageiros que vai pousar a aeronave para prepará-los para o pouso, avise ao público que você vai encerrar seu pronunciamento. Ao encerrar, você pode resumir os pontos principais em uma sequência lógica, conduzindo-os a uma propositura conclusiva. Você pode terminar de duas maneiras: a primeira é diminuindo a velocidade na voz; a segunda é acelerando o ritmo da voz, com uma linguagem enfática, pronunciando a frase de efeito com determinação e entusiasmo.

Alguns oradores se perdem na fase final e ficam “patinando”, repetindo várias vezes o mesmo assunto, informando que vão encerrar e não terminam. Essa atitude deixa o público impertinente e aborrecido.

Ao avisar que vai encerrar, procure perceber qual é a resposta no semblante dos ouvintes: se ficaram alegres, surpresos ou indignados.

Se você avisar e o público responder com um agradável “Oh, que pena!” ou “Como o tempo passou rápido!” ou “Já acabou?”, é sinal de que você foi muito bem e terminou na hora exata. Mas, se você avisar que vai encerrar e escutar um “Graças a Deus que terminou!” ou ruídos raspando os sapatos e cadeiras, é sinal de que você ultrapassou a hora combinada.

Ao avisar que vai encerrar a palestra, agradeça novamente à comissão organizadora e ao público pelo interesse demonstrado.  E lembre-se de preparar um final edificante.

Termine com uma reflexão, com uma frase de impacto ou de efeito que diga aos ouvintes que aquela informação se aplica a eles.

Quando o discurso for longo, não confie somente em sua memória; leve algumas fichas de apoio para serem utilizadas durante a palestra, pois elas poderão ser úteis caso ocorra um esquecimento.

Tenha sempre consigo a certeza de que o público não vai gostar se você ultrapassar seu tempo recheando-o com informações desnecessárias e inúteis. Não pense, ainda, que os participantes terão a impressão de que você é uma pessoa culta e detentora de muito conhecimento se você falar mais do que o normal ou do que o esperado.

 

Desejamos muito Sucesso na sua Comunicação!

Um abraço,

Acácio Garcia

 

Acácio Garcia

Acácio Moraes Garcia, conferencista internacional na área motivacional, comportamental e gerencial, mestre em oratória, diretor do IMCEV, procurador federal, ministra cursos e palestras há 25 anos por todo país e EUA, é autor de 8 livros e DVDs entre eles: o recém lançado “A boa comunicação nos dias atuais”, Vença a Timidez de Falar em Público, Como Falar Em Público Com Naturalidade e Entusiasmo, Adequação Empresarial, Histórias e Frases de Efeito para Apresentações em Público, A Força Do Poder Do Elogio Para Atingir As Metas. Foi incluído como “Os 30+ em Motivação do Brasil” pela editora 3C.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *