Skip to main content
Voz-e-Dicção-sucesso-na-comunicação-Acácio-Garcia

Voz e Dicção para o sucesso na comunicação

A Voz e a Dicção merecem  atenção especial em sua comunicação.

A voz é a viga mestra que une nossos pensamentos aos ouvintes. É um dos mais lindos presentes que Deus nos deu. Com ela, podemos nos comunicar, falar e interagir com os demais seres humanos.

Quando falamos formal ou informalmente, ocorre um lindo milagre para o qual talvez nunca tenhamos nos atentado: a transformação de um pensamento em palavras. O nosso espírito forma uma ideia, que é transformada em frases. Enquanto isso, quase que simultaneamente, o pensamento se materializa através do ato mecânico do ingresso do ar pela boca e pelo nariz, passando pelas pregas vocais que estão abertas (que ficam atrás do “gogó”, ou pomo de Adão).

As pregas vocais têm duas funções: a primeira é não permitir que objetos estranhos entrem nos pulmões e a segunda é produzir o tom da voz. O ar continua sua viagem pela traqueia e ingressa nos pulmões, que se expandem, impulsionando o diafragma para fora.

Em seguida, como se fosse um fole, o diafragma comprime o ar, formando a coluna de ar que sobe pela traqueia e encontra as pregas vocais, agora fechadas e vibrando, modulando o tom da voz. O ar segue, ainda, com a ajuda de laringe, faringe, boca, palato, dentes, língua, lábios e músculos faciais para produzir as sílabas, as palavras e as frases, que são transmitidas a outra pessoa ou a um grupo de pessoas.

Em suma, é um processo mecânico maravilhoso que merece reflexão e cuidados.  Portanto, evite gritar ou berrar, afinal, isso poderá causar calo nas pregas vocais. 

A alternância da voz, a velocidade, a diminuição e a pausa, em conformidade com o tema que você estiver falando, darão vida e elegância à sua fala, diferentemente da voz retilínea, sem pausa e estática, que ocasiona sonolência, desinteresse e antipatia àqueles que lhe escutam.

Quando você pronuncia todas as palavras com clareza o público adora, porque ele não precisa fazer esforço para entendê-lo, além de você passar uma imagem de que está bem preparado para transmitir os seus conhecimentos.

Quando o palestrante pronuncia as palavras comendo a última sílaba, ele fica desacreditado pelos ouvintes e passa total insegurança ao público.

Por que a Voz na gravação parece diferente?

Quando falamos, normalmente escutamos nossa voz por dentro da caixa óssea do crânio e com ela nos familiarizamos. Quando a gravamos num gravador de áudio ou numa filmagem, nos surpreendemos dizendo: “Essa não é a minha voz!”. Claro que é a mesma voz, todavia escutada pelo lado exterior da caixa óssea.

Aí está a importância de gravarmos nossa apresentação: justamente para sabermos como os outros nos escutam e como nossa voz soa para, então, podermos corrigir a dicção, os defeitos e os maneirismos, detectar as falhas e melhorar a qualidade de nossa entonação. Ouvindo as gravações, você perceberá se fala muito rapidamente ou muito lentamente, se faz pausa entre uma frase e outra, se o tom da voz está alto ou baixo, rouco ou gritado, e assim por diante.

Para melhorar sua voz, ensaie diversas vezes, ouça as opiniões dos amigos e busque ajuda com um fonoaudiólogo especializado para a fala em público.

A voz grave é a preferida dos oradores e a que melhor se adapta aos ouvidos dos ouvintes. Porém, aqueles que possuem voz aguda, nasal ou rouca poderão corrigi-la com muita persistência e técnica.

A voz gritada é muito desagradável, pois demonstra insegurança e descontrole emocional. Já a voz tremida é sinônimo de medo, diminui o brilho de sua apresentação e abre brechas para os comentários entre os ouvintes.

A voz tem que ser natural, com um leve sorriso e alternada, conforme as necessidades de sua apresentação.

Fale sempre com desenvoltura, firmeza, dando entonação para a voz, baixando, subindo e fazendo pausas; mude o ritmo, pois isso, além de melhorar a voz, também prende a atenção dos ouvintes.

Use a alternância da voz para destacar ideias, contar uma história, ressaltar uma conclusão, enfatizar um ponto importante e introduzir novos argumentos.

Quando você for falar sem microfone para um auditório com mais de 70 pessoas, como já mencionado, regule o volume de sua voz como se estivesse falando para a última fileira. Se as pessoas nela estiverem escutando, com certeza aquelas nas demais fileiras também estarão ouvindo claramente.

A dificuldade de falar mais alto nessas ocasiões se dá porque, geralmente, no dia a dia, falamos muito perto das pessoas, o que não exige o aumento no volume da fala.

Alguns oradores, em razão da adrenalina no início da apresentação, ficam muito nervosos e falam demasiadamente rápido, dificultando a compreensão e demonstrando aos ouvintes que não estão preparados psicologicamente para transmitir seus conhecimentos.

Portanto, é preferível iniciar a fala com calma, como se estivesse conversando com o público; isso lhe ajudará a manter a tranquilidade e conquistar o auditório.

A dicção é a forma de articular ou pronunciar as palavras de maneira clara para exprimir uma ideia. A boa dicção, como vimos, depende de uma respiração adequada e, sobretudo, de um aquecimento nos músculos faciais e na língua.

Exercícios de aquecimentos para Voz e Dicção :

Para relaxar os músculos que compõem a face, inicie com um sorriso, depois um riso e por último dê uma deliciosa gargalhada.

Para alongar os músculos faciais e a língua faça os seguintes exercícios:

  • Comprima fortemente todos os músculos da face durante uns dez segundos e solte-os rapidamente;
  • Imagine como se estivesse com vinte chicletes na boca e mastigue-os durante dez segundos;
  • Para aquecer a língua, imite o movimento que a cobra faz colocando-a para dentro e para fora;
  • Imite o ronco da motocicleta trepidando com a língua, pronunciando forte: “TRAAA… TREEE… TRIII… TROOO… TRUUU…;
  • Coloque uma caneta ou uma espátula entre os dentes e pronuncie silabicamente o que você estiver lendo, durante dois minutos;
  • Retire a caneta ou a espátula, abra bem a boca e repita os mesmos exercícios, pronunciando claramente, com um leve sorriso na voz.

No exercício de dicção, pronuncie claramente todas as sílabas das palavras, as iniciais, as do meio e as finais. Pronuncie nos ensaios, especialmente as finais, como se todas as palavras fossem oxítonas. Pronunciando bem a última sílaba, todas as outras sairão claras.

Quando você “come” a última sílaba, as palavras perdem ou mudam o verdadeiro sentido, tornando-se incompreensíveis, o que pode causar um certo aspecto cômico.

Exercite sua Voz e Dicção, Desejo a você sucesso na comunicação!

Um abraço,

Acácio Garcia

 

Acácio Garcia

Acácio Moraes Garcia, conferencista internacional na área motivacional, comportamental e gerencial, mestre em oratória, diretor do IMCEV, procurador federal, ministra cursos e palestras há 25 anos por todo país e EUA, é autor de 8 livros e DVDs entre eles: o recém lançado “A boa comunicação nos dias atuais”, Vença a Timidez de Falar em Público, Como Falar Em Público Com Naturalidade e Entusiasmo, Adequação Empresarial, Histórias e Frases de Efeito para Apresentações em Público, A Força Do Poder Do Elogio Para Atingir As Metas. Foi incluído como “Os 30+ em Motivação do Brasil” pela editora 3C.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *